A eletrificação é fundamental à medida que a indústria siderúrgica dos EUA se torna sustentável

A sustentabilidade nunca foi tão discutida, e em nenhum lugar mais do que nos Estados Unidos, onde o presidente Joe Biden busca reduzir as emissões nacionais de gases de efeito estufa para menos da metade dos níveis de 2005 até 2030. A eletrificação será fundamental para essa evolução na indústria siderúrgica.

"É de suma importância para a indústria de ferro e aço dos EUA ser mais sustentável", diz Baskar Vairamohan, gerente de projetos principal do Electric Power Research Institute (EPRI). "As tecnologias elétricas podem ajudar a reduzir as emissões, aumentar a produtividade, reduzir o desperdício de produtos e melhorar a qualidade dos produtos."

Baskar Vairamohan, Principal Project Manager at the Electric Power Research Institute (EPRI)

O EPRI é uma organização sem fins lucrativos de pesquisa de energia e meio ambiente de interesse público, com foco em questões relacionadas à energia elétrica. Sua pesquisa mostra que a eletrificação eficiente tem o potencial de aumentar a eficiência energética e a flexibilidade elétrica, aumentar a produtividade e melhorar a qualidade dos produtos, além de reduzir as emissões, economizar água e aumentar a segurança em toda a sociedade. Além de outros benefícios, a aplicação de tecnologias elétricas eficientes em vez do uso direto de combustíveis fósseis pode oferecer possíveis melhorias de saúde e segurança aos trabalhadores em diversas instalações comerciais e industriais.

Ainda assim, Vairamohan explica que o gás continua sendo a solução de aquecimento número um nos Estados Unidos. Cerca de 90% da indústria siderúrgica do país continua a usar gás combustível fóssil ou chama aberta para pré-aquecimento de cadinhos, embora a eletricidade seja amplamente utilizada no próprio processo siderúrgico.
“Embora o uso geral de eletricidade seja de apenas 17%, o Departamento de Energia dos Estados Unidos estima que cerca de dois terços do aço do país seja produzido em fornos de arco elétrico”, afirma. "Portanto, embora uma tecnologia elétrica já seja prioridade na siderurgia, o mesmo não é verdade para o tratamento térmico ou a produção de ferro."

A eletrificação beneficiaria os produtores de aço dos EUA

De acordo com Vairamohan, o aquecimento elétrico poderia oferecer benefícios consideráveis aos produtores de aço dos EUA. Por exemplo, o aquecimento elétrico oferece aquecimento rápido e rápida produção inicial, alta eficiência térmica de até 90%, minimizando o uso de energia e reduzindo a perda de calor no local de trabalho, e um ambiente de trabalho mais seguro.

"Fornos de combustão a gás exigem queimadores, sopradores, ventiladores, pilhas de exaustão e controles de emissões possivelmente caros", diz ele. "Sem combustão ou emissões de combustão, o ambiente de trabalho é mais seguro, mais silencioso e mais confortável."

Outros benefícios vão desde a redução dos requisitos de espaço no chão de fábrica e custos de manutenção significativamente menores até emissão zero no local e economias significativas devido à menor perda de metais, diz ele.

Superando os obstáculos

Por que ainda relutam em mudar?
"Não acho que se resume ao ceticismo, mas a outros obstáculos, como falta de fundos de capital, falta de conhecimento e desejo de manter processos familiares", diz Vairamohan. "As indústrias dos EUA também podem estar ligeiramente atrás de seus equivalentes em outros países porque o custo do gás natural é muito baixo em comparação com outros países que têm maior uso de eletricidade nessa indústria."
Embora ele reconheça que há espaço para melhorias, Vairamohan acredita que a indústria siderúrgica dos EUA está evoluindo, embora lentamente.

"De acordo com o American Iron and Steel Institute, a indústria reduziu a intensidade de energia e a intensidade de emissão de gases de efeito estufa em 35% e 37%, respectivamente, desde 1990", diz ele. "Está constantemente buscando novas tecnologias eficientes para implementar. No entanto, algumas empresas continuam a retroceder."

A indústria siderúrgica dos EUA conseguirá cumprir as ambiciosas políticas de sustentabilidade do presidente Biden? Só o futuro dirá.

Vários tipos de economia

A conversão de processos de aquecimento a gás em aquecimento elétrico na siderurgia gera economia em muitas áreas. De acordo com a pesquisa do EPRI, o aquecimento elétrico:

  • Oferece até 90% de eficiência térmica
  • Requer 15% a 20% menos espaço no chão de fábrica
  • Usa até 30% menos energia em processos de tratamento térmico por indução em comparação com fornos convencionais à base de gás natural
  • Produz menos emissões no local
  • Emite 100% menos CO e gases combustíveis no local
  • Além disso, os benefícios não energéticos para os clientes incluem melhor produtividade, redução de desperdícios (sucatas) e melhor qualidade dos produtos.

Entre em contato

Você tem alguma dúvida ou gostaria de fazer uma pergunta?

Fale conosco

Mantenha-se atualizado

Inscreva-se nas nossas notícias para receber mais informações como estas!

Inscreva-se


Sobre o EPRI

O EPRI é uma organização independente e sem fins lucrativos para pesquisas voltadas a energia e meio ambiente de interesse público, com foco em geração, entrega e uso de eletricidade. Ele oferece liderança conceitual, conhecimento especializado no setor e valor colaborativo para ajudar o setor elétrico a identificar problemas, lacunas tecnológicas e necessidades mais amplas que podem ser tratadas por meio de programas de pesquisa e desenvolvimento em benefício da sociedade.