Aço sustentável é o futuro, mas a mudança precisa começar agora

O aço sustentável está evidência como jamais esteve. Mas, embora o apoio regulatório e o aumento da disponibilidade de energia limpa sejam necessários para acelerar a transição para a produção de aço neutra em carbono, mudanças podem ser feitas para reduzir o impacto climático – mesmo a curto prazo. Isso é o que diz Åsa Ekdahl, diretor de meio ambiente e mudanças climáticas da Associação Mundial do Aço.

Åsa Ekdahl, Head of Environment and Climate Change at World Steel Association

"Para que um futuro com poucas emissões de carbono seja realmente viável, serão necessárias mudanças políticas", diz Ekdahl. "A indústria siderúrgica precisa deixar claro aos formuladores de políticas quais serão as futuras necessidades de eletricidade sem carbono e quais serão os benefícios do aumento da eletrificação." Esses benefícios surgirão, em grande parte, da substituição de combustíveis fósseis por eletricidade sem carbono, diz ela.

Entretanto, enquanto isso, a rede na maioria dos países ainda não é capaz de fornecer eletricidade com poucas emissões de carbono na escala e com o custo necessários para suportar mudanças de longo alcance. Por exemplo, o projeto sueco HYBRIT (Hydrogen Breakthrough Ironmaking Technology), uma iniciativa por meio da qual a SSAB, a LKAB e a Vattenfall estão buscando substituir o carvão por hidrogênio livre de combustíveis fósseis a fim de desenvolver a primeira tecnologia siderúrgica baseada em minério livre de combustíveis fósseis do mundo, deverá consumir sozinho cerca de 15 TWh de eletricidade livre de combustíveis fósseis.

Grande potencial de eletrificação de processos de suporte
Sem eletricidade livre de carbono suficiente para converter toda a indústria em aço ecologicamente correto, medidas sustentáveis podem ser tomadas enquanto isso, diz Ekdahl. Por exemplo, as siderúrgicas podem optar por usar gás natural para produção direta de ferro reduzido (DRI) como solução provisória até que o hidrogênio se torne mais acessível. Outra opção é começar a eletrificar processos de suporte.

Electric car bottom furnace at Kanthal's production site in Hallstahammar, Sweden

"Além de transformar a siderúrgica em um processo com poucas emissões de carbono, a indústria deve se concentrar em eletrificar outras áreas vitais, como reaquecimento, tratamento térmico e processos de suporte, pois tem grande potencial para eletrificação", diz ela.

De acordo com estimativas da Associação Sueca dos Produtores de Aço, a eletricidade poderia substituir cerca de 80% do combustível usado para tratamento térmico e cerca de 20% do combustível usado para aquecimento na indústria siderúrgica sueca. Isso equivaleria a uma redução de 300.000 toneladas nas emissões anuais de CO2, reduzindo-as quase pela metade para 400.000 toneladas por ano. Embora projeções semelhantes para a indústria siderúrgica global ainda não estejam disponíveis, a oportunidade continua sendo considerável.

Não há desculpa para adiar
Embora algumas mudanças talvez precisem ser feitas usando eletricidade baseada em combustíveis fósseis por enquanto, isso não é necessariamente uma desculpa para adiar, afirma Ekdahl.

"Mesmo que a eletricidade livre de carbono não esteja totalmente disponível, fazer a troca agora pode ajudar a indicar como serão as necessidades futuras de eletricidade, mesmo que ainda produza emissões por enquanto", diz ela.

Medidas de sustentabilidade também podem ser usadas para beneficiar o resultado final. Por exemplo, o programa de "intensificação" da Associação Mundial do Aço ajuda as empresas a reduzir as emissões e economizar nos custos de energia por meio de melhorias de eficiência. De acordo com a pesquisa da Worldsteel, a implementação bem-sucedida da metodologia tem o potencial de reduzir as emissões diretas e indiretas em até 20% no local médio de fabricação de minério e até 50% na instalação média baseada em sucata.

Nem todo mundo pode ser pioneiro na adoção
Então, quem poderia se beneficiar de produzir aço sustentável hoje?

Não é segredo que produzir aço com poucas emissões de carbono é significativamente mais caro do que usar métodos convencionais. No entanto, isso não impediu algumas marcas de alto perfil de se comprometerem em fazer a troca.

Em abril, a gigante sueca de automóveis Volvo disse que estava fazendo parceria com a pioneira em aço de alta resistência SSAB para desenvolver e comercializar os primeiros veículos do mundo feitos de aço livre de combustíveis fósseis. O aço, que a SSAB fará usando hidrogênio, poderá ser incorporado aos primeiros veículos e componentes conceituais até o final deste ano. Enquanto isso, a Mercedes-Benz AG anunciou a compra de uma participação acionária na start-up sueca H2 Green Steel, e sua intenção de lançar veículos usando o aço livre de CO2 já em 2025.

Ekdahl acredita que há possíveis vantagens e desvantagens em ser pioneiro na adoção no segmento de aço sustentável.

"Cada negócio é diferente", diz ela. "Quando se trata da viabilidade comercial do aço sustentável, isso realmente depende do que você faz. Se você faz produtos de alto nível, visando o mercado premium, seus clientes talvez já estejam dispostos a pagar mais por um produto sustentável." Para outros, pode fazer mais sentido esperar até que uma tecnologia pronta esteja disponível, ela acrescenta.

A vantagem para empresas como a Volvo que optam por inovar agora é a oportunidade de fazer parceria com um produtor líder, como a SSAB, para desenvolver o produto exato que desejam. Enquanto isso, outros podem optar por uma rota diferente.

"O que todos podem fazer agora é se envolver com os formuladores de políticas", diz Ekdahl. "O aço sustentável agora pode ser proibitivamente caro, mas as tecnologias convencionais também podem ficar mais caras no futuro, à medida que enfrentamos sanções e regulamentos de emissões de carbono mais rigorosos."

Políticas neutras em termos climáticos necessárias para mudanças reais
Além de pressionar o setor de energia para expandir a produção de energia com poucas emissões de carbono, Ekdahl diz que governos e reguladores também poderiam aumentar a competitividade do aço sustentável com políticas climáticas e decisões de aquisição.

"Se o aço livre de combustíveis fósseis fosse especificado em procedimentos de compras públicas, isso aceleraria a transição", ela conclui. "A longo prazo, assim que os governos começarem oficialmente a seguir uma política de neutralidade climática, como vimos em lugares como EUA, Japão, China e Coreia, a indústria siderúrgica seguirá o exemplo e a mudança real virá."

Entre em contato

Você tem alguma dúvida ou gostaria de fazer uma pergunta?

Fale conosco

Mantenha-se atualizado

Inscreva-se nas nossas notícias para receber mais informações como estas!

Inscreva-se

Um vislumbre do futuro da tecnologia de aquecimento

A produção de aço está prestes a mudar, e o aquecimento elétrico é uma grande parte da transição. Saiba mais sobre os desafios e oportunidades da eletrificação.

Saiba mais

Sobre o programa de intensificação da Associação Mundial do Aço
Intensificação é um processo de várias etapas que abrange matérias-primas, entrada de energia, rendimento e manutenção. Pode ser usado para apoiar melhorias nas operações de usinas para alcançar níveis de eficiência proporcionais aos melhores desempenhos da indústria siderúrgica. A Worldsteel desenvolveu um processo de análise de eficiência em quatro estágios em todo o setor, baseado na prática líder, para todos os operadores de usinas seguirem. Mais informações aqui.